Eu vou só escrever, só colocar para fora, se faz sentido ou não, vou deixar fluir por meus dedos. O ano muda, as pessoas mudam, tudo fica diferente, a maioria abandona, outros ignoram. Sempre que um novo tempo, seja um novo mês ou um novo ano, chega, eu espero mudanças… Não só mudanças, melhoras. Tenho momentos felizes, em que acho que tudo vai melhorar, tenho momentos em que quero morrer, isso tudo aumenta de vez em quando, diminui, só o que permanece é aquela sensação. Aquela sensação de prisão, um aperto no peito, uma vontade de gritar mas com a certeza de que não será ouvida. A solidão, o conhecimento daquela verdade, que todos tentam mascarar, mas está guardada lá nas suas entranhas: ninguém te entende. Você não é como os outros, claro que não, ninguém é, e as vezes você deseja poder desabafar com alguém que te entenda… Porém não pode. Tem ás vezes que todos a sua volta estão entretidos com algo e só você não consegue participar, não é o seu tipo de diversão, não é você. 
Eu estou em um desses momentos, sozinha, na frente do computador. O que eu vou fazer? Vou conversar. Com quem? Comigo mesma, com um Deus qualquer que possa me ouvir, com vocês… É isso que eu faço para não enlouquecer, eu repito pra mim mesma que HÁ alguém para nos ouvir, alguém nos observando, de onde quer que esteja. Seja Deus, o destino ou, desculpem a expressão, o caralho a quatro!
Mariana Campos

Eu vou só escrever, só colocar para fora, se faz sentido ou não, vou deixar fluir por meus dedos. O ano muda, as pessoas mudam, tudo fica diferente, a maioria abandona, outros ignoram. Sempre que um novo tempo, seja um novo mês ou um novo ano, chega, eu espero mudanças… Não só mudanças, melhoras. Tenho momentos felizes, em que acho que tudo vai melhorar, tenho momentos em que quero morrer, isso tudo aumenta de vez em quando, diminui, só o que permanece é aquela sensação. Aquela sensação de prisão, um aperto no peito, uma vontade de gritar mas com a certeza de que não será ouvida. A solidão, o conhecimento daquela verdade, que todos tentam mascarar, mas está guardada lá nas suas entranhas: ninguém te entende. Você não é como os outros, claro que não, ninguém é, e as vezes você deseja poder desabafar com alguém que te entenda… Porém não pode. Tem ás vezes que todos a sua volta estão entretidos com algo e só você não consegue participar, não é o seu tipo de diversão, não é você

Eu estou em um desses momentos, sozinha, na frente do computador. O que eu vou fazer? Vou conversar. Com quem? Comigo mesma, com um Deus qualquer que possa me ouvir, com vocês… É isso que eu faço para não enlouquecer, eu repito pra mim mesma que alguém para nos ouvir, alguém nos observando, de onde quer que esteja. Seja Deus, o destino ou, desculpem a expressão, o caralho a quatro!

Mariana Campos

posted 2 years ago @ 11 Feb 2012 with 23 notes
xalone xsozinha xsó eu xeu mesma xwhateverwhoiam